Morcegos, tremei?

Por Bernardo Moura

Uma vez imortalizados por contos na tela do cinema, os morcegos fazem parte do imaginário popular. Estes bichos, muitas vezes dóceis, têm a fama de vampiros chupadores de sangue que aterrorizam baixinhos e altinhos.

Os morcegos são mamíferos e são classificados em duas grandes famílias, que habitam no globo terrestre. Na Europa, apenas 185 espécies voam por lá (os Megachiroptera). Já no resto do mundo, o número cresce para 928 espécies (da subordem Microchiroptera). Sendo que, eles não são encontrados nos pólos Norte e Sul e em ambientes muito altos. Podendo pesar até dois quilos e possuir 1,5 metro de envergadura, os Microchiroptera (espécie que é mais encontrada no Brasil) possuem um ecolocalizador. Uma espécie de radar sensível que ajuda na captação de insetos durante seus vôos. Encontrados na alringe do animal, emitem ondas sonoras que ao se chocarem com algum corpo, retornam ao morceguinho, através de sua folha nasal.

Filmes como "Drácula de Bram Stoker", "Entrevista com Vampiro" com Tom Cruise e séries de tevê como "BMolossus molossus (Marco A.R. Mello)uffy" e "Angel", ficaram no imaginário de qualquer pessoa que assiste a um pouco de televisão.

Por isso, pode ficar tranquilo que os famosos "chupadores de sangue" não existem. Ou melhor, existem. Mas, não aqui, nas Américas. Eles habitam lá pelas bandas da Tailândia e de ilhas do Pacífico. Daí, o caso da temerosa Transilvânia.

A maioria dos morcegos são insetívoros (que comem insetos) ou frugívoros (que comem frutas). Há também, os que comem peixes e os que comem carne. Lembrando que carne aqui significa pequenos roedores, anfíbios, répteis, outros morcegos e aves.

Para os estudiosos, os morcegos são encarados como salvadores. Sim, por serem insetívoros e frugívoros, eles auxiliam ao Homem em muitas coisas, inclusive salvando sua espécie. O coordenador Roberto Leonam Novaes, do projeto Pró Morcegos, da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, que o diga:

– Morcegos são extremamente importantes para o meio ambiente, principalmente no quesito dispersão de sementes e regeneração florestal, assim como no controle de pragas agrícolas e urbanas, já que um único morcego insetívoro pode consumir mais de 200 insetos por noite, muitos dos quais transmitem doenças ao homem, como a dengue.

Phylloderma stenops (Marco A.R. Mello) Para os que vivem em área urbana, como as grandes cidades do nosso país, deve ter percebido que estes bichos mal falados também se fazem presentes. Ao cair da noite, já basta para eles dançarem pelos céus brasileiros. Seria algum problema ambiental? Algum descontrole? Para o Roberto, não:

– A maior parte das 167 espécies de morcegos que temos no Brasil vive associada a ambientes florestais bem preservados, porém uma pequena parte dessas espécies se adaptou bem aos ambientes urbanos. Ter morcegos no perímetro urbano é extremamente saudável para nós, desde que sejam respeitados, admirados e jamais tocados.

Portanto, para você que sai correndo ao ver um morcego dando rasantes126626307 na sua cabeça, enquanto você anda na calçada, fique tranquilo, pois ele não quer seu sangue. E mais importante, esses animais são silvestres, por isso não cuide-os dentro da sua casa, pois, podem transmitir  doenças.

Fotos: morcegos – Projeto Pró Morcegos

Uma resposta para “Morcegos, tremei?

  1. esses animais são realmente muito interesantes!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s