80% da Mata Atlântica tem dono

Por André Delacerda

mata_atlantica Segundo reportagem da Revista Horizonte Geográfico deste mês, mais de 80% dos fragmentos da Mata Atlântica estão nas mãos de particulares. Dependendo deles a conservação desse bioma tão ameaçado e rico em biodiversidade por metro quadrado do planeta.

A revista em extensa reportagem mostra bons exemplos de conservação desta floresta tropical nas regiões Sudeste e Nordeste do Brasil. Destacando-se a conservação na área de Silva Jardim no Rio de Janeiro, em Minas Gerais e no Sul da Bahia.

No Estado do Rio, o destaque fica por conta da mobilização da sociedade de Silva Jardim -populaçãw_h_006_micoleao1.1o estimada de 21 mil habitantes – em prol da conservação da florestado. Outra informação importante trazida pela revista sobre Silva Jardim, mostra que este município é o campeão nacional em número de reservas particulares do patrimônio natural –RPPNs-. Sendo 16 propriedades com flora e fauna preservadas.

Parte desse engajamento da sociedade local se deve a pesquisa desenvolvida na região e movimento conservacionista para evitar a extinção do mico-leão-dourado nas matas deste município.

Sobre a responsabilidade dos proprietários das terras cobertas pela floresta, a Fundação SOS Mata Atlântica afirma que a sobrevivência desse ecossistema depende dos particulares e que não é preciso esperar pelo podCachoeira_Parque_3_1er público para salvar os fragmentos da Mata Atlântica.

Essa também é a opinião de Erika Guimarães, coordenadora do Programa de Incentivos RPPNs da Aliança para a Conservação da Mata Atlântica em entrevista a revista.

“Se a Sociedade quiser realmente conservar a floresta, um dos cinco hotspots mais ameaçados do mundo, deve convencer os prprietários a não destruir o que resta dela em suas terras.”

Em outra parte da reportagem a Bahia é o destaque, com o Ecoparque de Una, onde o ecoturismo é feito em plena harmonia com a floresta  e a RPPN da Serra do Teimoso, na qual a plantação de cacau ajudou a preservar a mata. Sobre a região de Una vale destacar que é o habitat natural do mico-leão-de-cara-dourada.

A matéria ainda traz como exemplo a RPPN Rio das Lontras, em Santa Catarina, que destina-se a pesquisaBioma mata atlantica e educação.

Há também um projeto diferenciado que vêm da região de Bocaia de Minas, na Serra da Mantiqueira. Ali a família Simas desenvolve o projeto Ação do Olhar – Observatório Florestal, que pretender apresentar ao mercado um produto diferente, através de fotos do bioma existente no local.

A reportagem também fala de algumas dificuldades, da burocracia, do engajamento e amor dos proprietários na conservação da Mata Atlântica e suas biodiversidade.

Fotos: mata atlântica – Biodiversitas / mico-leão-dourado –  360 graus / cachoeira – Apremavi / mata atlântica – Mochileiro no Brasil

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s